0
Shares
Pinterest Google+

Evento será realizado na próxima semana em Barão Geraldo, na Unicamp

“4” (2018, Canadá) dirigido por Rodrigo Rocha-Campos – Foto: Divulgação

Pela primeira vez o Sans Souci Festival of Dance Cinema terá uma edição brasileira. O evento, cuja principal atração é a exibição de obras de videodança de artistas de diversos países, acontecerá na Casa do Lago da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), São Paulo, entre os dias 23 e 25 de maio de 2019 e seguirá com a videoinstalação Espaços Latentes até o dia 31 do mesmo mês.

O festival Sans Souci Brasil trará parte de seu acervo internacional, além de obras de artistas nacionais selecionadas ao longo dos últimos meses. Segundo a brasileira Rosely Conz, professora de Dança do Alma College, no estado de Michigan, Estados Unidos, e uma das organizadoras do evento em Campinas, as submissões estavam restritas a filmes que tinham alguma ligação com o Brasil. “Para esta edição brasileira, decidimos priorizar filmes relacionados de alguma forma ao país, seja através de diretores, coreógrafos e bailarinos nacionais, ou mesmo do próprio cenário”, diz Rosely, que também é mestre em dança pela Unicamp.

Além da exibição dos trabalhos selecionados e de parte do acervo internacional, a programação terá workshops, performances e instalações de vídeo. Também está prevista uma mesa redonda com a participação da atual diretora executiva do festival, a americana Michelle Bernier, e da professora de Dança da Texas State University, a mexicana Ana Baer.

História

O Sans Souci Festival of Dance Cinema foi criado há mais de uma década pela professora da Universidade do Colorado em Boulder, Michelle Ellsworth, que já foi considerada pelo jornal New York Times uma das artistas mais influentes dos Estados Unidos. O evento já foi realizado na Espanha, Alemanha e Trindade e Tobago, entre outros países. O objetivo é apoiar artistas que integram a dança com elementos de vídeo, atraindo, educando e entretendo o público. 

Atualmente o festival Sans Souci possui em seu acervo mais de 300 trabalhos de centenas de artistas. Diversos países do mundo estão representados, incluindo Armênia, Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Dinamarca, Escócia, Finlândia, Holanda, Hungria, México, Noruega, Suíça e Turquia. Obras brasileiras, agora, passarão a fazer parte do acervo.

“Corra” (2018, Brasil) dirigido por Diogo Angeli – Foto: Divulgação

Atividades
“O festival irá acontecer graças, em parte, ao apoio do Fundo de Apoio ao Ensino, à Pesquisa e Extensão (FAEPEX), ligado à Pró-Reitoria de Pesquisa da Unicamp. Acreditamos que esta edição brasileira realizará um amplo debate acadêmico ao redor desta temática, a partir de uma rede comum que concentra universidades nacionais e internacionais”, explica a professora do Instituto de Artes (IA) da Unicamp, Doutora Julia Ziviani Vitiello. Ela é diretora do grupo DANÇABERTA, um dos produtores do evento no Brasil.

A diretora conta que entre os dias 23 e 25 de maio serão exibidas as obras internacionais do acervo, bem como as selecionadas exclusivamente para a edição brasileira, além de videoinstalação com performance ao vivo, palestra, mesas e oficinas.

 

“Women in Cities” (2017, EUA) dirigido por Rosie Trump – Foto: Divulgação

A videoinstalação Espaços Latentes, da diretora artistica do festival, Ana Baer, seguirá aberta ao público das 9 às 17 horas até o dia 31 de maio. A instalação, que será ativada nos dias 23 e 24 pela performance ao vivo de 6 bailarinos , possuirá mais de 7 trabalhos em vídeo dispostos pela galeria de exposições do local rodando de forma simultânea e ininterrupta, criando diferentes ambientações e perspectivas para o público.

Em paralelo, a última atividade programada, que irá ocorrer no período de 27 a 31 de maio, será a gravação da etapa final do projeto internacional de videodança “Frontera”, com direção de Ana Baer em colaboração com Julia Ziviani e o grupo DANÇABERTA. “Este projeto é uma tentativa de lançar luz para as atuais experiências de imigrantes de todo o mundo. A primeira parte dele foi filmada em Boulder, no Colorado, em setembro de 2018. A segunda parte retratou dançarinos na cidade fronteiriça de El Paso, no Texas, e a terceira e última parte será filmada exatamente durante o festival.”

“Groggy Grugg” (2018, EUA) dirigido por Conor C. Long – Foto: Divulgação

Serviço

Onde: Espaço Cultural Casa do Lago, Universidade Estadual de Campinas

Av. Érico Veríssimo, 1011 – Cidade Universitária, Campinas – SP

Sans Souci – Edição Brasil

Quando: 23, 24 e 25 de maio de 2019

Atividades gratuitas  para  o   público:  oficinas,  palestras, exibições, videoinstalação e performances ao vivo;

Espaços Latentes (videoinstalação)

Quando: 23 a 31 de maio de 2019

Mais informações: www.latentspacesart.com

“Women in Cities” (2017, EUA) dirigido por Rosie Trump – Foto: Divulgação
Evento

Festival internacional de videodança Sans Souci acontece pela primeira vez no Brasil

Detalhes do evento

Período do evento: 23/05/2019 a 25/05/2019

Av. Érico Veríssimo, 1011 – Cidade Universitária, Campinas – SP
Previous post

Casarão recebe espetáculo de variedades Casaré neste sábado, 18

Next post

Palhaço Jerônimo apresenta o solo "A Estreia" no Casarão neste sábado

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *